Desejando, sempre, honrar ao Senhor…

Últimas

Pesca & Pescador Lucas 5.4; Ezequiel 47. 1 – 12

Algumas vezes já falamos aqui sobre a forma como Deus faz para nos fazer ver as coisas que Ele está fazendo. Em Oséias 11. 4 vemos que Deus conduz o povo a quem ama com laços de amor. Esses “Laços de Amor” muitas vazes podem ser as dores da vida, as decepções, uma doença, etc. Mas também podem acontecer de formas que achamos que iremos para um lugar e Deus nos guia gentilmente para outro lugar, deixando bem claro qual a vontade dEle.

Hoje vamos falar um pouco sobre como somos pescados. Sobre as maneiras que Deus tem para chamar a nossa atenção e nos levar para onde não esperamos.

 

Confiando na Palavra

Em determinadas situações em           nossas vidas não nos resta nada a fazer, além de seguir uma Palavra ou Ordem de Deus. Começando por Lucas 5.4 nós iremos ver um Pedro já cansado de lutar contra as ondas e o vento da noite, usando suas forças e se esforçando para poder sobreviver de seu ofício, tirar o sustento do seu trabalho para a sua família.

Assim como vemos também um Pedro decepcionado ao amanhecer, pois depois de tanto trabalhar não conseguiu nada. Naquela noite, Pedro só esperou e nada aconteceu. Seu trabalho foi todo em vão.

Em determinadas situações Deus age como Jesus agiu com Pedro. Faz-nos ver e entender que nossos esforços são vazios, pois Ele deseja nos mostrar algo grandioso. Naquela manhã Jesus vem até Pedro e diz: “a Simão: “Vá para onde as águas são mais fundas”. Sabemos o que aconteceu: Pedro consegue pescar tantos peixes que as redes quase se rasgaram.

O que nós podemos aprender para nossas vidas hoje sobre isso? É nas águas profundas que a Palavra de Deus se cumpre. E o que são as águas profundas hoje?

A Palavra de Deus nos diz que assim como Pedro, nós também somos pescadores de homens, por isso, as águas profundas para nós, no contexto de hoje, é a comunhão com o Espírito Santo e o conhecimento da Bíblia.

Ao confiarmos na Palavra de Deus estaremos abrindo espaço para a comunhão com o Espírito Santo e estaremos indo para onde as águas são profundas. Deus diz em Jeremias 33.3: “Clame a mim e eu responderei e lhe direi coisas grandiosas e insondáveis que você não conhece”. Meus irmãos existe sim algo mais profundo para aprendermos. Existe sim um conhecimento disponível para nós a respeito de Deus que Ele mesmo deseja que saibamos. O que precisamos fazer é obedecermos a Palavra de Deus e buscarmos águas mais profundas, pois é lá que o Senhor vai nos mostrar onde lançarmos as redes para que Ele possa fazer a maravilha.

 

As Águas que Correm do Templo

Quero que vocês prestem bastante atenção ao que será dito aqui. Existem diferentes profundidades no conhecimento a respeito de Deus. O texto nos mostra um homem levando o profeta Ezequiel a perceber isto. Existe uma nascente no Templo e à partir desta nascente tudo é purificado e os povos e animais são abençoados.

Perceba que o homem vai mostrando a Ezequiel que até que a profundidade aumente existe uma distância a ser caminhada: 500 metros. Por favor, não confunda a mensagem trazida a vocês com o misticismo que o Evangelho tem conhecido nos dias de hoje. Aqui não há nada de místico! Este estudo tem haver com o conhecimento de Deus e não com essa teologia da televisão. Estou aqui fazendo uma comparação com a profundidade do conhecimento de Deus e não com uma “falsa bênção automática”. Estamos falando aqui de comunhão com Deus e conhecimento de Deus e isso leva tempo.

Cada vez que perseveramos no conhecimento de Deus iremos alcançar uma nova profundidade. Deus vai se revelar cada vez mais a cada um de nós e estaremos, nesse caminho, conhecendo a Deus de forma mais profunda. E isso é maravilhoso! A cada passo estaremos mais de acordo com a vontade dEle e estaremos mais perto do que Ele tem sonhado para nós.

 

A Pureza da Água

A água que sai do templo vai purificando tudo por onde passa. Percebam que pescadores tiram o seu sustento dela, os peixes são abundantes, as árvores fornecem sombras à margem. Tudo ao redor tem um propósito e uma missão.

Da mesma forma acontece com o conhecimento de Deus que desenvolvemos. Ele não serve somente para nós mesmos, mas Deus vai nos usar para abençoar a outros. Vai fazer-nos alcançar outras vidas e se revelar através do que Ele tem nos ensinado para que outros também o vejam

Existem também no texto os charcos e os pântanos. E é neles que precisamos prestar atenção, pois são lugares rasos e com lamaçais. São lugares onde é difícil caminhar e podemos ficar presos. Esses lugares são as falsas doutrinas que nos levam a conhecer a Deus de uma forma que Ele não tem se apresentado a nós. São lugares escuros e com mal cheiro onde nenhum de nós que estar e são diferentes das características purificadoras das águas profundas.

 

Confiando na Rede

Quando Jesus leva Pedro às águas profundas e as redes são lançadas, voltam cheias, carregadas de peixes e quase se rasgando. As redes de um pescador são seu principal meio de trabalho. Por isso todos os dias o pescador revisa suas redes para tampar os furos por onde os peixes podem escapar, aumentando assim o buraco e mais peixes fugindo.

Quando Deus nos usar precisamos confiar que Ele vai estar nos preparando para realizar seu plano, nos capacitando a cada dia e tirando de nós as coisas que podem nos fazer deixar escapar os peixes que Ele deseja pegar.

Resumindo: nós somos as redes que Ele usa, a água é o conhecimento de Deus onde mergulhamos para ir mais profundo e à partir deste conhecimento nós somos usados para abençoar outras vidas

Só a Vontade de Deus – Salmos 143.10

Não são poucas as vezes que decidimos o que fazer das nossas vidas. Estas decisões são tomadas de acordo com várias razões. Tomamos decisões baseadas nos nossos desejos, ou como se diz por aí, para onde os olhos desejam alcançar. São baseadas na cobiça, ganância, luxúria, para chamar a atenção de alguém, etc.

Porém, todas as decisões causam conseqüências. Nem sempre assumimos a responsabilidade sobre as nossas decisões e acabamos reclamando a Deus (ou reclamamos com Deus) sobre estas conseqüências.

Mas hoje vamos falar um pouco sobre como a vontade de Deus preenche o vazio que nos faz tomar decisões erradas.

Só a Vontade de Deus Preenche

            Muitas e muitas vezes nas nossas vidas, nós permitimos que o nosso coração tomasse as decisões a respeito de nossas vidas. Olhamos com olhares condescendentes para as coisas que sabemos que o final não vão ser boas, mas para não parecermos ranzinzas, ultrapassados, ou  retrógrados, acabamos permitindo que certas coisas aconteçam quando não deveriam nem ser pronunciadas.

            Veja o exemplo de um pai que ao ser comparado com um velho, permite que seu filho comece a andar com amigos que o pai não conhece, sair no sábado à noite sem hora pra voltar nem dizer para onde vai.

Também pode ser uma mãe que querendo ser “da moda” permite que sua filha de seis anos se vista como as “periguetes” dos “Realities Shows” ou aprenda as “dancinhas” que todas as crianças da escola sabem, por que viram o “Mc’s” sei lá das quantas em um vídeo no Youtube.

Até mesmo um pastor que não busca a vontade de Deus e permite que certos costumes forjados no fogo do inferno entrem na Igreja pela porta da frente para que pastor não veja os seus “fies” deixando sua igreja para freqüentar um culto mais “animado”.

            Será que estas pessoas sabem o que é a vontade de Deus para aqueles que estão debaixo dos seus cuidados? Será que sabem qual a vontade de Deus para eles como líderes?

            O desejo de ser aceito em alguma coisa ou lugar não é novidade pra ninguém. Ele começa logo cedo, quando ainda somos crianças e vai desenvolvendo-se pela adolescência, juventude, fase adulta até o fim das nossas vidas. É um desejo muito forte e se não for freado invariavelmente tem conseqüências desastrosas, pois o desejo de ser aceito pode nos levar a fazer coisas que não queremos como algo que nos vicia ou a prostituição.

            Nesta busca por aceitação, precisamos nos lembrar que o amor de Deus é tão maravilhoso que pode nos fazer uma nova pessoa, livre de todas estas vontades que são tão prejudiciais.

            Por isso precisamos aprender logo no começo que jamais seremos rejeitados por Deus. Não importa o que tenhamos nos submetido a fazer por causa de atenção, ou para não sermos rejeitados pelas pessoas, Deus tem a solução para este problema. A solução está em Romanos 8.15: “Pois vocês não receberam um espírito que os escravize para novamente temerem, mas receberam o Espírito que os adota como filhos, por meio do qual clamamos: “Aba, Pai”.

É assim que começamos a mudar a nossa história. Deus nos aceitou como filhos. Mesmo tendo sido rejeitados por todos, Deus, pelo seu amor, nos adotou e por isso não seremos mais rejeitados.

Aquele vazio que nos faz tremer durante a noite quando nos sentimos sós é preenchido pelo amor de Deus e a aceitação da nossa presença como filhos de Deus.

Só a Vontade de Deus Preenche Nossos Medos

Isso nos faz avaliar as nossas condutas e buscarmos a razão que Deus nos dá para pensarmos a respeito da vontade dEle para nós.

Veja o que diz em Salmos 37.3: “Confie no Senhor e faça o bem; assim você habitará na terra e desfrutará segurança”. Confiar no Senhor e buscar a Sua vontade vai fazer a diferença em nossas vidas. Romanos 12.2 diz para não nos conformarmos com as coisas deste mundo e que por isso experimentaremos a vontade de Deus que é Boa, Perfeita e Agradável.

Quando confiamos no que Deus tem planejado para nós poderemos descansar, pois Deus não pode mentir (Hebreus 6.18). Seguindo os paços que Deus escolheu para nós poderemos desfrutar a segurança. Não só a segurança contra bandidos, ladrões ou a sociedade, mas contra o inimigo de nossas almas, Satanás.

O fato de confiar no Senhor e fazer a sua vontade impede e neutraliza qualquer plano de Satanás para no aprisionar, aterrorizar ou vencer. Quando nos aproximamos de Deus, Satanás é derrotado.

Só a Vontade de Deus Preserva

Para que nós fomos feitos, afinal de contas? O ser humano se pergunta isso desde o começo dos tempos. Nunca a resposta foi encontrada à partir do conhecimento humano. A ciência não é desenvolvida o suficiente e nem a filosofia é tão sábia.

Porém, a Bíblia responde de forma simples a esta pergunta. Efésios 1. 11,12 diz que todas as coisas foram feitas pela vontade de Deus e que foram criadas para o louvor da sua glória.

Quando vemos as coisas pelo ângulo de Deus tudo parece mais simples. Já aprendemos que louvor não é cantar e sim reconhecer ou reconhecimento. Diante disso podemos afirmar que fomos criados para reconhecer e dar reconhecimento a Deus por todas as coisas.

Ao louvarmos a Deus podemos ver como seremos preservados. Vejam o que diz Salmos 37. 18,19: “O Senhor cuida da vida dos íntegros, e a herança deles permanecerá para sempre. Em tempos de adversidade não ficarão decepcionados; em dias de fome desfrutarão fartura.”

A vontade de Deus nos preserva. Quando seguimos os seus passos nós podemos ter a certeza de que Ele nos ajudará na adversidade.

Deus Não é Ladrão de Sonhos

            Quando ouvimos falar da vontade de Deus logo aparece em nosso estômago um friozinho e nos perguntamos a respeito da nossa vontade. E se Deus não quiser que eu seja jogador de futebol? Ou astrônomo? E se Ele não quiser que eu me case com aquela pessoa que eu tanto amo? E se eu aceitar fazer a vontade de Deus e Ele me puser em um lugar ruim? E o que eu faço com meus sonhos?

            Precisamos entender que Deus não é ladrão de sonhos. Ele não vai mandar você simplesmente esquecer-se deles como se eles não prestassem. Acredite: Deus vai cuidar dos seus sonhos.

            Eu não sei como Ele vai fazer, pois Ele é soberano. Mas quando Deus tem a nossa permissão para fazer a sua vontade em nossas vidas a tendência é Ele nos levar além do que já sonhamos: “Àquele que é capaz de fazer infinitamente mais do que tudo o que pedimos ou pensamos, de acordo com o seu poder que atua em nós” Efésios 3.20

Quando Deus nos preenche, quando a sua vontade preenche os vazios em nossas vidas podemos ter certeza de que Ele não só vai cuidar de nós e dos nossos sonhos, mas vai também maximizá-los e nos levar a uma realidade que nunca sonhamos.

E ainda que Ele nos peça para abrirmos mão do nosso sonho, vai haver em nós um desejo de agradá-lo tão intenso que o abrir mão vai nos preencher e faremos sim, todos os dias se for preciso, para a glória de Deus.

Pois só a vontade de Deus preenche!

A Oração de Jesus – João 17

Um dos textos mais maravilhosos e profundos da Bíblia é a oração que Jesus fez no capítulo 17 de João. Não importa o quão longe você esteja da Igreja ou mesmo de Cristo, não há como não se impressionar ao ler as palavras do Mestre. Mas quando lemos este capítulo, muitas vezes deixamos passar despercebidos os desejos de Jesus enquanto orava.

No estudo de hoje vamos olhar alguns aspectos desta oração e buscar aprender e entender, com a ajuda do Espírito Santo, o que Jesus estava desejando para nós.

 Orando Por Si Mesmo

            Jesus começa esta oração de forma muito íntima em uma conversa com o Pai. Nela Ele afirma ter cumprido a sua missão e define o que é a vida eterna: “que conheçam a ti só por único Deus verdadeiro e a Jesus Cristo a quem enviaste.” (V.3). Isto nos faz entender algumas coisas: vida eterna não é viver para sempre. Mas sim, conhecer a Deus e a Jesus Cristo. Isso tem muito haver com João 3.16, João 3. 36 e com João 5.24 entre outros.

Conhecer a Cristo faz toda a diferença para a nossa salvação. É Ele quem virá nos buscar e nos levará para o lugar que já preparou. Estar perto dEle vai nos ensinar como devemos ser e assim evitaremos o pecado que nos rodeia sempre. Se não buscarmos viver no padrão que Jesus determinou não iremos alcançar a salvação.

 Orando Pelos 11

Em seguida, à partir do verso 6, Jesus começa a orar pelos seus discípulos, que neste momento são 11. Com muita convicção, Jesus afirma que os discípulos estão prontos, pois já acreditam que Deus enviou Jesus e receberam as Palavras dEle (v. 7,8), não pertencem a este mundo (v.14) e estão guardados pelo nome de Deus (v.12).

Isso nos faz pensar sobre a afirmação que Ele fez no verso 4. A Missão de Jesus parece ter sido preparar doze homens para levar sua Palavra aos quatro cantos da terra. Claro que enquanto isto outros também ouviam e decidiram segui-lo verdadeiramente. Porém, a sua atenção, convívio e ensino era com os apóstolos, que mais tarde o representaram na terra.

 Orando Pelos Que Ainda Virão

            Este é o centro deste estudo bíblico. Iremos nos concentrar mais tempo neste momento. Veremos aqui algumas palavras-chave que nos mostrarão o que Jesus tem desejado de nós e para nós.

Mas, se você ainda não percebeu o que está acontecendo aqui: Jesus estava orando por você! Um dia, antes de ser morto, Jesus pensou que as pessoas que viveriam em 2014 estariam precisando de intercessão. E ele intercedeu! Que maravilha é saber que Ele orou por mim e por você e muito mais importante é entendermos o que Ele desejava.

            O primeiro pedido de Jesus enquanto orava pelos que ainda viriam a conhecê-Lo era que fossem um, assim como o Ele e o Pai são um.

É muito importante lembrar que, apesar de ser um com o Pai, Jesus fez questão de não ser como o Pai. Ele abriu mão da glória e veio viver como servo (Filipenses 2. 5 – 8). Isso nos ensina que a oração de Jesus é para que sejamos um em amor e serviço para com o outro (João 15.9 – 13). A humildade é a marca do caráter de Cristo em nós.

No verso 22, Jesus diz que nos deu a glória e isto nos direcionaria a sermos um. Mas que “glória” é essa? Não é a mesma que teremos no Céu, pelo menos não de forma completa, mas sim, uma porção daquilo que aqueles que habitam com Deus no céu já possuem. Somente aqueles que permanecem no Messias podem caminhar na direção de ser um com o próximo.

Percebam, meus irmãos, o quanto a oração de Jesus tem nos ensinado: somente aqueles que permanecem, ou buscam conhecer a Cristo possuem a capacidade de ser um com seu irmão de forma perfeita e conseqüentemente um com Cristo. Isso é impressionante, pois neste mesmo capítulo Jesus afirmou que a vida eterna é conhecer a Deus e ao próprio Jesus (v.3).

A “forma perfeita” que se refere no verso 23 não significa sem erros, mas sim se refere a uma entrega perfeita na comunhão um com o outro. Não há como sermos perfeitos (sem erros), mas há como vivermos de forma completa na comunhão e no amor um pelo outro.

Para Jesus isso é tão importante que Ele diz na oração que esta unidade em amor vai dizer ao mundo que Deus ama a humanidade da mesma forma que ama a Cristo. Este é o desejo de Jesus enquanto orava por nós.

 Assim como o amor, Jesus nos mostra outra coisa muito importante nesta oração. No verso 24, Jesus pede a Deus que onde Ele estiver que estejamos também para “vermos” a sua glória como prova do amor que Deus tem por Ele.

Quando Jesus se referiu a vermos a sua glória não se referia a olhar, mas sim, experimentarmos a glória que foi dada a Jesus.

Isso quer dizer que se formos cooperadores de Deus (1 Coríntios 3.9; 2 Coríntios 6.1), representantes do seu Reino (2 Coríntios 5.20), Ele irá nos usar para participarmos daquilo que Deus vai fazer revelando a glória de Cristo. Era nisso que Jesus estava pensando quando intercedeu por nós.

 Um Último Ensino

            Neste capítulo, Jesus se refere ao termo “Pai” três vezes. Em cada oração que fazia: por si mesmo, pelos 11 e pelos que haveriam de vir, Jesus usa um termo que tem haver com o seu desejo naquele momento.

            Enquanto orava por si mesmo Jesus pede a Deus que o Filho seja glorificado assim como o pai foi glorificado pelo Filho. Apesar de ser digno da glória, Jesus humildemente pede ao Pai que o glorifique junto a Ele com a glória que tinha antes de todas as coisas (João 1. 1 – 3). Jesus de referia a glória de Deus e pedia para que Ele também fosse glorificado.

            Em seguida, ao orar pelos onze, Jesus se refere a Deus como “Pai Santo” fazendo menção ao desejo de que Deus santifique os seus discípulos: “Santifica-os na verdade, a tua palavra é a verdade”. Jesus se referia à santidade de Deus e pedia para que os discípulos também fossem santificados

            E por último, no verso 25, Jesus se refere ao Deus como “Pai Justo”. Esta justiça não tem haver com equilíbrio da balança ou com atitude justa, mas sim, tem haver com justificar (Mateus 6.33). Pai justo, ou seja, Pai que justifica… (Tito 3.7; Atos 13.39; Romanos 3.24)

            Percebam que Jesus está pedindo a Deus, que é Aquele que nos justifica, para justificar aqueles que O conheceram através de Jesus.

            Somente aqueles que conhecem a Jesus podem ter a justificação do Pai e conseqüentemente a vida eterna. Isso tem haver com o verso 3, novamente. Jesus se referia à justificação que Deus pode dar e pedia que os que ainda iriam lhe conhecer também fossem justificados.

 Conclusão

            Esta não foi a última oração de Jesus. Ele ainda pediu: “Pai perdoa-lhes, pois não sabem o que fazem” e “em tuas mãos entrego meu espírito”. Mas com certeza nos ensina muito sobre o desejo de Jesus para nós, que conhecemos Deus através de Jesus, pela fé.

            Meu desejo é que a Oração de Jesus possa nos guiar, como a Estrela do Norte guia os marinheiros na escuridão, para que possamos, juntamente com Ele, ganhar a Vida Eterna.

Saber o desejo de Cristo para nós faz toda a diferença.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 62 outros seguidores